Posted in Notícia

Menino é torturado e morto após dizer que gostava “de meninos”

Menino é torturado e morto após dizer que gostava “de meninos” Posted on Junho 29, 2018Leave a comment

Os pais já haviam sido denunciados por abuso infantil desde 2013. 13 queixas foram em relação à vítima. O caso não aconteceu no Brasil, mas serve para nós pensarmos sobre os nossos preconceitos. Isso não te lembra de algo? Do tipo: “ser gay é falta de porrada?”

Publicidade

De acordo com  as informações do LGBTQ Nation, a polícia de Los Angeles, nos EUA, investiga o caso de um garoto de  apenas 10 anos de idade, torturado e morto pelos próprios pais, após ele ter dito que gostava “de meninos”.

Publicidade

Na penúltima semana de junho, os policiais responderam uma chamada do 911 na casa de Anthony Avalos, na qual a mãe, Heather Barron, afirmava que o garoto havia sofrido ferimentos por conta de uma queda. A vítima tinha, além das lesões, marcas de cigarro no corpo

O garoto foi levado ao hospital, no entanto morreu no dia seguinte. Tanto a mãe quanto o namorado dela, Kareem Leiva, já haviam sido denunciados por abuso infantil  diversas vezes desde 2013.

Publicidade

Os agentes responsáveis disseram a reportagem local que outra investigação, de 2013, mostrou que o menino havia sido abusado sexualmente por um de seus avôs. O diretor do Departamento de Serviços para Crianças e Famílias da cidade, Brandon Nichols, afirmou que Anthony “disse que gostava de garotos” semanas antes de morrer.

Após diversas analises,  os agentes concluíram que a homofobia foi um fator determinante para o crime ter acontecido.

Além disso, Nichols garantiu que ele e seus irmãos tinham alimentação e água negada constantemente, eram sexualmente abusados, espancados, pendurados em uma escada de cabeça para baixo, forçados a ficarem agachados por horas, trancados em um pequeno quarto sem banheiro, obrigados a lutar entre si e  coagidos a comer do lixo. Apesar disso, Barron e Leiva não foram presos.

Por: O Martelo de Nietzsche

Fonte:  LGBTQ Nation  e Metropóles. 

 

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *