A Oração ao Deus Desconhecido de Friedrich Nietzsche

Infelizmente muitas  pessoas apenas conhecem  Nietzsche  por alguns aforismos soltos sem nenhum tipo de conexão como o todo de sua obra, entre eles podemos citar “Deus está morto”, “torna-te quem tu és”, “o que não me mata me fortalece”, entre outros etc… Contudo, Nietzsche é mais profundo do que possamos imaginar.

Publicidade

É importante lembrar que  Nietzsche ao dizer “Deus está morto” ele não está fazendo referência a algum tipo de concepção de Deus vivo que seja imortal, mas do Deus da metafísica, das representações religiosas e culturais, feitas apenas para ludibriar as pessoas e impedir que se confrontem com os desafios da condição humana.

Esse Deus que Nietzsche critica  é somente uma representação e uma imagem. Ao falar que ele está morto, Nietzsche está fazendo uma referência a ciência moderna que está assumindo o controle.

Nietzsche estudou teologia profundamente, embora não tenha seguido a tradição de seus avós luteranos. Em o Anticristo ele lança críticas duríssimas aos teólogos.

Publicidade

A oração ao Deus desconhecido de Nietzsche provavelmente foi escrita quando ele ainda tinha entre 17  e 19 anos, no período em que estudava teologia.  Posteriormente Nietzsche mudou sua visão em relação a esperança em um ser paternal, tornando-se ateu até a data de seu falecimento. Mas para conhecimento vale a pena a leitura.

Oração ao Deus desconhecido

Antes de prosseguir no meu caminho
E lançar o meu olhar para frente
Uma vez mais elevo, só, minhas mãos a Ti,
Na direção de quem eu fujo.
A Ti, das profundezas do meu coração,
Tenho dedicado altares festivos,
Para que em cada momento
Tua voz me possa chamar.

Sobre esses altares está gravada em fogo
Esta palavra: “ao Deus desconhecido”
Eu sou teu, embora até o presente
Me tenha associado aos sacrílegos.
Eu sou teu, não obstante os laços
Me puxarem para o abismo.
Mesmo querendo fugir
Sinto-me forçado a servi-Te.

Eu quero Te conhecer, ó Desconhecido!
Tu que que me penetras a alma
E qual turbilhão invades minha vida.
Tu, o Incompreensível, meu Semelhante.
Quero Te conhecer e a Ti servir.

Lyrisches und Spruchhaftes (1858-1888). O texto original em alemão pode ser encontrado em Die schönsten Gedichte von Friederich Nietzsche, Diogenes Taschenbuch, Zürich 2000, 11-12 ou em F.Nietzsche, Gedichte, Diogenes Verlag, Zurich 1994

Por: O Martelo de Nietzsche

You Might Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *