Filosofia no ENEM – confira o que mais cai nas provas

Filosofia no ENEM – confira o que mais cai nas provas

Novembro 2, 2018 0 Por admin

As questões de filosofia do ENEM são as mais técnicas dentro da esfera de conhecimento humanidades. O período mais recorrente na prova é o da filosofia antiga, com a  presença dos filósofos pré-socráticos.

As perguntas tendem a ser bastante detalhistas, com cobranças específicas de conhecimento dos filósofos. Nos principais temas abordados pelo Enem desse ano, certamente você vai encontrar a Filosofia Política. Neste caso, podem aparecer questões sobre o contratualismo, por exemplo, embasadas em John Locke, Thomas Hobbes e Jean-Jacques Rousseau.

( John Lucke 1632-1704)

Jamais deixe de estudar os clássicos: Sócrates, Platão e Aristóteles, pios eles refletirem sobre a origem do conhecimento e as bases da formação de uma sociedade democrática da ética e moral.

Merecem muita atenção também os filósofos Contratualistas e Maquiavel. Pensem em Maquiavel como “alguém que quer o bem sociedade. Não ver Maquiavel de maneira autoritária é importante para o Enem e até mesmo para você construir argumentos em sua redação.

Maquiavel (1469-1527)

A maioria das pessoas entende que ele é um teórico do absolutismo, mas ele é republicano. A ideia do governo dele é de garantir o bem comum, sua principal obra é “O Príncipe”. Um livro pequeno que você consegue ler em um dia.

Principais filósofos da natureza que são cobrados no ENEM

Tales de Mileto – Para ele, toda vida começa na água e à água retorna quando começa sua degradação.

Anaximandro – O pensador defende que o nosso mundo é um dos muitos nascem de algo e permanecem nesse algo que ele chama de infinito. Não está claro o que ele entende por esse algo, não é algo determinado como para Tales.

Anaxímenes – Entende o ar como o elemento primordial para todas as coisas. É do ar condensado que surge a água. E também é o responsável pela criação do fogo e da terra.
Parmênides – Ele entendia que não é possível existir grandes transformações como a da água em tudo que está sob a terra. Algo só pode se transformar naquilo que já é em essência. Racionalista, ele duvidava do que via, pois podia estar alterado pelos sentimentos.

Heráclito – Contemporâneo de Parmênides. Famoso pelo pensamento de que não podemos entrar duas vezes no mesmo rio, ele entende que a natureza está em constante transformação e a vida se faz a partir de contradições. Exemplo: só podemos valorizar a saúde após ficarmos doentes. Ao contrário de Parmênides, tem maior confiança nos sentidos.

Anaxágoras – Chamou de sementes os elementos infinitamente divisíveis que formam nosso corpo e tudo que está ao nosso entorno. Era interessado por astronomia e não acreditava que o Sol fosse um deus, acreditando que os astros celestes eram compostos pelos mesmos elementos que existem na Terra.

Demócrito – Entendia que tudo que na natureza era formado por partículas indivisíveis, os átomos. Ele não acreditava em espíritos ou divindades, por isso, sua leitura de mundo é chamada de materialista.


Os filósofos clássicos que sempre são cobrados 

Sócrates, Platão e Aristóteles também precisam ser estudados por refletirem sobre a origem do conhecimento e as bases da formação de uma sociedade democrática da ética e moral.

Sócrates
Ele criticava os sofistas por serem relativistas morais, não acreditando em uma verdade absoluta. O filósofo célebre pela frase “só sei que nada sei” é o criador da maiêutica, método dialético para aquisição de conhecimento a partir da reflexão e de perguntas simples. Para Sócrates, o verdadeiro conhecimento leva a uma ação correta.

Platão
Conhecido mundialmente. Amado e odiado entre os filósofos póstumos a sua morte. Foi o discípulo fiel mais próximo de Sócrates e é o motivo por este ser conhecido, já que nunca escreveu uma linha. Platão é conhecido pelo mito da caverna, uma forma de explicar a necessidade de conhecimento e a opção de muitos em viver na escuridão. O filósofo também fez reflexões sobre a política e entende que é a partir dela que a sociedade pode se organizar de maneira justa. “O cidadão que é político garante os direitos e a Justiça de uma sociedade”, explica o professor Vinícius Figueiredo Costa, do Curso e Colégio Bernoulli.

Aristóteles
Discípulo de Platão, ele realizou estudos em diversos campos do conhecimento, como física, química, economia, e, claro, filosofia. Sua concepção de ética é pautada pelo utilitarismo, ou seja, é preciso encontrar uma ação equilibrada que seja baseada naquilo que trará maior felicidade.

Maquiavel
O professor Vinícius Figueiredo Costa pede que os candidatos pensem em Maquiavel como “alguém que quer o bem sociedade”. “Não ver Maquiavel de maneira autoritária é importante para o Enem”, diz ele. “A maioria das pessoas entende que ele é um teórico do absolutismo, mas ele é republicano. A ideia do governo dele é de garantir o bem comum.”

Pensadores contratualistas
Jean Jacques Rousseau, John Locke e Thomas Hobbes são alguns dos que se encaixam na descrição.

O primeiro é o pai da democracia moderna e entende que o Estado deve cuidar da maioria das demandas sociais, a partir do Contrato Social. O iluminista Locke faz uma reflexão focada na política liberal, mais do que a economia, e defende que o Estado deve garantir o direito à propriedade privada. E, por último, Hobbes com a frase “o homem é o lobo do homem” também tem sido mal interpretado de acordo com Figueiredo.

“O ser humano é livre, e como ser livre ele pode optar por fazer o mau. Então ele pode optar por fazer o mal. A maldade é uma escolha decorrente da liberdade”, explica.

Gostou? Então compartilhe com seus amigos que irão fazer o exame.

Por: O Martelo de Nietzsche

Fonte: Revista Galileu.