Terraplanistas fretam cruzeiro para chegar até a beirada da Terra

Terraplanistas fretam cruzeiro para chegar até a beirada da Terra

Janeiro 13, 2019 0 Por admin

De acordo com o site da organização de terraplanistas,  será “o a maior, mais audaz e melhor aventura já feita”.  Quem lê a notícia, pensa que trata-se de um mais uma daquelas notícias sensacionalistas, mas não é, sim, eles querem conhecer a beirada da terra.

As informações são de acordo com o portal, EL País. Segundo esse portal, a Conferência Internacional da Terra Plana (FEIC, na sigla em inglês) decidiu fretar um navio de cruzeiro no ano que vem com o absurdo propósito de chegar aos limites da Terra.

Conforme os conferencistas desta corrente idiotizante, que defende que a Terra não é esférica, o planeta acaba num muro de gelo que nos separa do espaço exterior, aonde pretendem chegar nesse cruzeiro  Segundo o The Guardian. O ex-capitão naval Henk Keijer ressaltou que todas as cartas náuticas e os sistemas de navegação foram desenvolvidos sob a premissa de que a Terra é esférica, a que navegação desse cruzeiro deverá ser “muito complicada” se a tripulação discordar disso.

O que explicam os defensores desse absurdo.

Eles dizem que a Terra é um disco gigante, com o polo norte no centro e rodeado de “um paredão de gelo: a Antártida”, segundo a sociedade terraplanista.

Onde eles chegaram com esse fretamento? Ao óbvio, claro.

Ainda de acordo com EL País, os organizadores do cruzeiro advertem, portanto, que não garantem chegar ao muro, mas asseguram que os viajantes encontrarão “evidências” suficientes para dar a viagem como proveitosa. Além de navegar na beira do precipício, os terraplanistas poderão desfrutar de restaurantes e piscinas de ondas aptas para a prática do surfe. Não foi informado o custo de fretar o cruzeiro nem os preços dos camarotes. Questionada a respeito pelo The Guardian, a FEIC não respondeu.

Em nota oficial, a Sociedade da Terra Plana afirma que “as agências espaciais do mundo” conspiraram para falsificar “a viagem espacial e a exploração”

Fonte: The Guardian, El País.